15 maio 2014

[De tudo um pouco] Livro x Gestão de carreira

Olá Leitores queridos,

Hoje eu vou falar sobre um tema que está sendo muito trabalhado no mundo empresarial e que eu gostaria de “linkar” com o mundo literário para melhor exemplificar o que os “expert” chamam de gestão de carreira.

Nos cursos de desenvolvimento pessoal e até mesmo em cursos de Coaching (trabalho desenvolvido por um profissional visando auxiliar e estimular o profissional para que este trace e alcance determinadas metas) muito se fala em mudança pessoal, em manter bons hábitos mentais, em despertar o espírito de liderança e o principal: até onde se separam a vida pessoal e a profissional de cada indivíduo.

Tá certo, mas o que isso tem a ver com a coluna? Calma! Este tema tão trabalhado no mundo corporativo possui um exemplo perfeito na literatura estrangeira, sabe em que obra? Não?
Pois bem, devo dizer que no livro “O Diabo veste Prada” de Lauren Weisberg.

Este livro narra com perfeição as relações de trabalho em muitas empresas da atualidade. A história nos apresenta Andrea Sachs que acaba de se formar e consegue emprego para nada menos que Assessorar Miranda Priestly, editora-chefe da revista de moda Runway. O emprego não é seu objetivo de carreira, porém Andrea precisa do emprego dos sonhos de milhares de garotas para conseguir o emprego de seus sonhos.
Miranda se mostra o próprio Diabo, entretanto, com muito bom gosto... rsrsrsrs. No mais, peço para quem ainda não o leu, que veja a resenha (http://www.skoob.com.br/livro/790) para entender onde eu quero chegar.

Embora não pareça, este livro nos traz lições de grande valia no dia a dia e até para quem quer e precisa de um novo ou primeiro emprego, mesmo que não seja o dos seus sonhos. Muito bem, o livro é exemplo e literatura indicada em muitos cursos de gestão de carreira por tratar de um tema muito atual, embora o livro seja da década passada: Assédio Moral.

Os transtornos psicológicos suportados pelos colaboradores de inúmeras empresas é muito bem tratado neste livro, como por exemplo no caso em que Miranda ordena que Andrea consiga o manuscrito do novo livro do Harry Potter para suas filhas, não importa como, ou perderá seu emprego, outro exemplo:
Nada mau, pensei, olhando-me em um dos onipresentes espelhos de corpo inteiro. Talvez nem se percebesse que minutos antes eu estava prestes a me matar e a todo mundo à minha volta. Fui para a área dos assistentes, fora da sala de Miranda, e sentei-me tranqüilamente em meu lugar, esperando com ansiedade alguns minutos livres antes de ela retornar do almoço.- Ahn-dre-ah - chamou de sua sala mobiliada de maneira austera, deliberadamente fria. - Onde estão o carro e a cadelinha? Pulei da minha cadeira e corri o mais que pude sobre o carpete felpudo, usando um salto de doze centímetros, e fiquei diante de sua mesa.- Deixei o carro com o manobrista e Madelaine com o porteiro, Miranda - respondi, orgulhosa por ter concluído as duas tarefas sem acabar com o carro, o cachorro, ou comigo mesma.- E por que fez isso? - rosnou, erguendo os olhos de seu exemplar de Women's Wear Daily pela primeira vez desde que entrei. - Pedi especificamente que trouxesse os dois ao escritório, já que as meninas chegarão daqui a pouco e temos de sair.- Oh, bem, na verdade, achei que tinha dito que os queria em...- Chega. Os detalhes de sua incompetência não me interessam. Vá buscar o carro e a cadelinha, traga-os para cá. Espero estarmos todos prontos para sair dentro de quinze minutos. Entendido?Quinze minutos? Essa mulher estava pirando? Levaria um ou dois minutos para descer, entrar em um carro de aluguel, mais seis ou oito para chegar ao apartamento, e, então, cerca de três horas para encontrar a cadelinha no apartamento de dezoito cômodos, retirar o maldito carro de câmbio manual de sua vaga, e conseguir percorrer vinte quadras até o escritório.- É claro, Miranda. Quinze minutos.Recomecei a tremer no momento em que disparei de sua sala, perguntando-me se meu coração não poderia simplesmente parar na idade madura de 23 anos. O primeiro cigarro que acendi aterrissou diretamente no alto da minha nova Jimmy, onde, em vez de cair no cimento, fumegou o tempo suficiente para fazer um pequeno e definido furo. Ótimo, murmurei. Simplesmente do cacete. Mais pontos, arredondando meu total em quatro mil para a mercadoria arruinada hoje - um novo recorde pessoal. Talvez ela morra antes que eu volte, pensei, decidindo que estava na hora de olhar o lado bom. Talvez, só talvez, ela caísse de algo raro e exótico e todos seríamos libertados de seu manancial de tormento. Saboreei uma última tragada antes de apagar o cigarro e disse a mim mesma para ser racional. Você não quer que ela morra, pensei, espreguiçando-me no assento de trás. Porque se ela morre, você perde toda a esperança de matá-la você mesma. E isso seria uma pena.
Para aqueles que não estão preparados estes acontecimentos podem realmente trasnformar o ambiente de trabalho no perfeito inferno e seu chefe no Diabo (se ao menos ele(a) vestisse Prada!)

Para os gestores também há uma árdua tarefa, eis que sempre terá que remontar e remanejar a equipe, tendo-se em vista que poucos suportam essa pressão. Há estudos que demonstram que as empresas mantêm e retêm colaboradores que possuem o mesmo perfil de seus gestores ou donos.

Vamos às lições?

Andrea nunca imaginou trabalhar em uma revista de moda, mas precisa de uma primeira referência para que possa conseguir trabalhar onde quer. Na vida real, a situação não é diferente, quantas pessoas não passam exatamente por esta situação? Prestar atenção nas oportunidades que este emprego possa lhe proporcionar é uma excelente maneira de enxergar sua carreira e projetá-la.

Chefe mulher, poderosa e que visa a carreira acima de tudo: retrato perfeito de Miranda e de muitas chefes da vida real que tentam conciliar a vida profissional com o papel de mulher, mãe, namorada/esposa.

Pessoal x Profissional – Quando e como separar, aliás, existe separação? A lição que o livro nos remete é que devemos tentar equilibrar para que uma não se sobressaia em detrimento da outra, pois existem consequências (ex: casamento falido de Miranda e namoro em crise de Andrea).

Quantas vezes seu chefe já não lhe pediu ou não lhe foi imposta uma tarefa á primeira vista impossível? Este fato, embora não pareça é corriqueiro, constantemente nos deparamos com a difícil tarefa de adivinhar os pensamentos de nossos superiores? Temos que entender que temos sempre alguma coisa a aprender e a única coisa que ninguém, nunca irá lhe tirar, é o conhecimento.

Acredito que acima de tudo o livro “O Diabo veste Prada” oportunizou aos consultores demonstrar de forma mais concreta alguns valores e visão da maioria das empresas e fazer com que os colaboradores reflitam a respeito de qualidade de vida, objetivo profissional e os limites humanos.

Eu sempre gostei desse livro, mas nunca olhei para ele com essa perspectiva empreendedora. Acredito que a mensagem dele é muito positiva, uma vez que se o profissional acreditar em si, souber aproveitar a oportunidade sem se lamentar, pelo contrário com dedicação (equilibrada), pode realizar tarefas tidas como impossíveis e até mesmo superar as expectativas (as nossas e a de nossos gestores).

Vocês já tinham refletido a esse respeito??? Já passaram por alguma situação parecida com a de Andrea??? Nos conte, comente!!!

11 comentários:

  1. Oie Chrys! Amei o post! Já assisti o filme, mas não li o livro ainda e pensando bem eu nunca tinha visto essa história por esse ângulo. Acredito que muitas vezes pra chegar onde se quer é preciso enfrentar outros empregos primeiros, como foi o caso da Andrea. O que vjo como problema é que por vezes nós mulheres focamos muito na carreira, aí nosso relacionamento conjugal, familiar, com os amigos, enfim tudo fica de lado. Devemos saber até que ponto podemos lutar pelo "emprego de nossos sonhos". Confesso que não é fácil conciliar tanta coisa, mas viver por uma só não é uma boa ideia!

    Beijos!

    Meu Diário

    ResponderExcluir
  2. Oi, Chrys
    Uma chefe igual Miranda ninguém merece.
    Nunca passei por nada igual, mas se acontecesse, pediria demissão.

    ResponderExcluir
  3. pra você ver como um livro pode ensinar!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Eu também nunca olhei para este livro e filme com esta perspectiva. Muito bom saber mais esta. Parabéns pela postagem.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  5. Não li o livro ainda, mas como você também nunca tinha parado para pensar na parte "dos negócios" e o pior é que tudo o que você citou aí tem coerência! Quando assisti o filme eu gostei bastante, mas tratei a história apenas como as "desventuras" de uma moça que trabalha em uma revista famosa, olhando com outros olhos, acho que preciso desse livro pra amadurecer um pouco mais meus pontos de vista!

    ResponderExcluir
  6. Ainda não li o livro e sobre essa questão profissional eu não sei muito, por ainda estar terminando o ensino médio e me preparando para entrar no ensino superior que é quando vou começar a entender esse mundo do mercado de trabalho e carreira.
    Mas como assisti o filme, consegui acompanhar bem o post. É interessante analisar uma história com esse propósito. Só quando se muda as lentes, é quando conseguimos ver além.

    ResponderExcluir
  7. Oi Chrys, adorei as referências que você criou entre o mundo real e o literário, apesar de que O Diabo Veste Prada é baseado em fatos reais e muitas das coisas pelas quais Andrea passou, Lauren também passou com Anna Wintour, a verdadeira Diaba.. kkk Infelizmente já tive a terrível experiência de ter um chefe maluco que tinha prazer em ofender os outros a ponto de fazê-los chorar. Um absurdo, ele tocava o terror no escritório e foi um dos motivos que me fizeram desistir dessa carreira de advocacia. Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
  8. Nunca li o livro, mas assiti o filme que retrata de uma maneira bem real como é o livro (eu acho). Acredite, já passei por situações desse tipo no meu antigo emprego e me perguntava diariamente: isso vale a pena??? Mas passada a raiva do momento a gente se pega vendo que cresceu e muito com cada tabefe, como costumam dizer os mais velhos e sábios: a vida ensina, seja pelo amor ou pela dor(nesse caso pela dor). Adorei o post.

    ResponderExcluir
  9. Chrys que post bacana! Já assisti o filme mas o livro nunca cheguei nem perto rsrs Adorei o filme e percebemos realmente que os chefes querem que façamos coisas que parecem impossíveis, ou acham que a gente tem que adivinhar as coisas sozinhas. Estou no meu primeiro emprego e essa semana passei por uma situação em que o chefe queria que eu adivinhasse que tinha de fazer tal coisa, sendo que aquilo era papel dele. É complicado esse mercado de trabalho. Parando para analisar após teu post acho que vou ler o livro e quem sabe tirar maiores lições.

    Beijos, Greice.
    diariodaalvorada.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Depois que vi o filme O Diabo Veste Prada fiquei com muita vontade de ler o livro mas nunca achei ele pra comprar.

    ResponderExcluir
  11. Nossa... amei a postagem.
    Fico indignada como existem chefes que abusam do poder, mesmo. Fazem dos seus funcionários meros súditos.
    Falta respeito, falta companheirismo. E ainda piora quando o ambiente é um saco, ou seja, seus colegas também são terríveis.
    Ainda quero ler o livro =) Só vi o filme.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para nós e será sempre respondido, volte para conferir!
Se possível, deixe o link de seu blog, adoramos conhecer espaços novos e retribuir a visita!