15 março 2014

[Resenha] O Cavaleiro de Bronze - Parte I: Leningrado

Título: O Cavaleiro de Bronze (Parte I – Leningrado)
Autor(a): Paullina Simons
Editora: Novo Século
Gênero: Romance
Sinopse:  A Segunda Guerra Mundial ainda não havia alcançado a cidade de Leningrado, onde as duas irmãs Tatiana e Dasha Metanova viviam, dividindo um pequeno cômodo com seu irmão, seus pais e avós. Tudo muda quando as tropas de Hitler atacam a União Soviética e ameaçam invadir a grande, mas decadente, cidade. Fome, desespero e medo tomam conta de Leningrado, durante o terrível inverno no qual a cidade foi submetida ao cerco alemão. No entanto, a luz do amor é sempre capaz de iluminar a mais profunda escuridão. Tatiana conhece Alexander, um jovem e corajoso oficial do Exército Vermelho. O rapaz, forte, confiante e guardando um passado misterioso e problemático, e sente-se atraído por Tatiana¬—¬e ela por ele. O amor impossível de Tatiana e Alexander ameaça agora dividir a família Metanova. E que segredo é esse que se esconde no passado do soldado, tão devastador quanto a própria guerra?
Putz grila! 493 páginas pra ser só a primeira parte do primeiro livro. É pra acabar com o meu coração, né?

O livro 1, O Cavaleiro de Bronze (+/- 900 páginas), foi dividido pela Novo Século em 2 partes: Parte I – Leningrado, Parte II – O Portão Dourado (previsão para este semestre). O livro 2 é Tatiana and Alexander, e o livro 3 é The Summer Garden.

Aí você para e analisa comigo. Eu não gosto de livros que terminam sem acabar, então não gostei desse, certo? Péééééé, resposta errada! Não vou dizer que amei, aimeudeus vou favoritar. Mas foi uma experiência bem bacana.

Quando li a sinopse, não fiquei superanimada e nem imaginei as emoções que me esperavam. Gosto de romances, mas a temática da guerra é algo com o qual não estou acostumada. Ainda bem que me dei essa chance e resolvi variar. E antes de começar, já aviso que sou péssima em História, consultei a Wikipedia pra ver se rolava não falar besteira e peço desculpas por qualquer deslize.

Conheci Tatiana, uma inocente menina de 17 anos que vive na União Soviética, no período da Segunda Guerra Mundial. Ela mora com os avós, os pais, seu irmão gêmeo Pasha e a irmã 7 anos mais velha Daria.

Já começa que esse é um universo bem diferente do que vivemos. Todos trabalham pra todos, todos ganham a mesma comida, as famílias moram juntas... Esse lance socialista não entra muito bem na minha cabeça, então demorei a entrar no clima.

Tatiana conhece um oficial do Exército, se encanta por ele, sente seu coração bater mais forte pela primeira vez, mas leva um balde de água fria quando descobre que o homem de quem sua irmã falava é justamente Alexander. Apesar das intenções de Daria, eles se encontram todos os dias na saída do trabalho de Tatiana, e ali começa a nascer o sentimento. E o dilema é decidir o que é mais forte: o amor fraterno ou romântico.

Logo no começo do livro, Pasha é enviado ao acampamento de meninos, na tentativa de salvá-lo da guerra. Enquanto isso, a família vive os medos e expectativas das investidas alemãs. A carga de trabalho é aumentada; a comida, reduzida. A tensão piora cada vez que chega a notícia de que uma cidade foi tomada. E, em meio a isso, há a falta de informações sobre Pasha. Conseguem imaginar o horror? É pior do que isso.

A caçula Tatiana sempre foi a mais tranquila da família, aceitando as condições a ela impostas. Muito obediente, muito paciente, muito ingênua. Uma criança relegada ao posto de desimportante, de uma quase empregada. Não sei se foi a intenção da autora compor a Daria tão irritante, mas, se foi, ela teve total êxito. Eu chegava a desejar sua morte, pra você ver o quanto ela me causou agonias! Os pais e avós também, mas um pouco menos. Todos tratavam Tatiana tão mal que dava raiva, e, enquanto isso, nossa protagonista permanecia com sua alma pura, com intenções boas. Daria, no entanto, fazia questão de menosprezá-la, ressaltando sempre suas qualidades de irmã mais velha.

O amor de Tatia e Shura (apelidos de Tatiana e Alexander) era construído e fortalecido em segredo, longe das vistas de todos, acalentados por toques “acidentais” e olhares roubados. E tinham que disfarçar: ele com Daria; ela com Dimitri, amigo dele que dava em cima dela descaradamente. Tatiana não suportava pensar na traição à irmã, então tentava afastar Alexander de seu coração e de sua mente, mas foi impossível. Pelo menos fisicamente conseguiu, e deixou a irmã viver seus beijos, abraços e planos.

Alexander foi um grande protetor da família durante o período da guerra, abastecendo a casa com suprimentos conseguidos no quartel. Tudo isso por amor a Tatiana. Por ela, ele foi pro front, pra procurá-la e salvá-la. Por ela, ele corria riscos e enfrentava seus superiores. Por ela, ele negava o amor, pra atender ao seu desejo de alegrar a irmã. Mas claro que eles ficam juntos, senão o livro 2 não teria o nome que tem. Só que você vai ter que ler pra descobrir como.

Eu gostei muito de conhecer mais a fundo essa parte da História. Uma coisa é ouvir na sala de aula sobre a guerra, outra é entrar nesse universo e tentar entender a sensação de medo, e fome, e sobrevivência. Viver uma realidade em que você trabalha em prol do coletivo, e ai de quem disser algo contra. O fuzilamento é uma possibilidade não muito distante. Eu me peguei refletindo sobre essa questão socialismo x capitalismo um monte de vezes, analisando como me sentiria numa realidade diferente, tentando entender a cabeça de Tatiana e não cheguei a conclusão nenhuma.

Vamos às complicações do livro. Se gravar nomes de pessoas e locais já é algo difícil pra mim, quando eles são russos muito que piora. Demorou um pouco até que eu identificasse um pouco melhor os personagens e os lugares citados. Tinha até um mapinha no começo, mas cadê que eu lembrava de consultá-lo a cada nome de cidade? Só quando acabei de ler, voltei a ele e compreendi melhor o cenário.

Outra coisa ruim foi o excesso de apelidos. Tatiana, por exemplo, era Tatia, Tanechka, Tania. Daria era Dasha, Dashenka, Dashka. Pense na confusão que eu fazia no início pra entender que Tatiana e Tania eram a mesma pessoa!


E pra fechar... que divisão mais loucaaaaa! Além de parte 1 e 2, tem subpartes, capítulos e subcapítulos. Não tô de sacanagem! Precisei insistir umas boas páginas até que o livro me envolvesse. Não foi uma leitura fácil, que me prendeu logo de cara.

Essa Tatiana da capa não se parece nem um pouco com a minha. Mas prefiro a nacional, com menção à guerra (veja a original aqui).
A revisão até que tá bem boa pros padrões da Novo Século. Uns errinhos aqui, outros acolá, mas nada que eu vá meter o pau.

Menos 1 estrelinha porque o livro não acaba, porque ele começou confuso e demorou a pegar no tranco. 4 estrelinhas por todo o resto.


A ingenuidade de Tatiana me conquistou. Fui fisgada por sua bondade incondicional, por seu amor aos outros maior que o amor-próprio, pela pureza de seu coração. Uma menina que amadureceu e virou mulher, por causa da guerra e do amor. E Alexander é um homem dos sonhos. Seu senso protetor chegou até aqui, e eu me sentia acalentada a cada vez que ele confortava Tatia física ou emocionalmente.

Sim, quero ler o outro. Quero descobrir como continua o livro 1 e como o nosso casal fica junto. E espero de coração que a leitura do próximo seja mais fluida.

Um Beijo e não esqueçam de comentar o que acharam!

21 comentários:

  1. Olá Giulia!
    Estou super curiosa pra ler esse livro, porque diferente de você eu amooooo livros ambientados em guerras, rsrsrsrs. Achei super bacana esse retrar a Rússia, na verdade o meu desejo de ler esse livro, é porque quando li Jardim de Inverno da Kristin, mostrava os efeitos da 2ª guerra lá e eu simplesmente amei. Só achei um pouco chato o fato dos apelidos, acho que vou fazer uma tremenda confusão quando for ler, ahhaha, acho que poderiam ter colocado apenas um apelido. Nossa a Tatiana e o Alexander me pareceram personagens super simpáticos e já fiquei mais curiosa ainda pra conhecê-los. Enfim esse livro parece retratar o que o ódio, o interesse financeiro pode fazer com vidas, mas que ainda em um conflito tão grande como esse o amor sempre prevalece! Sua resenha ficou ótima! Beijos!

    Meu Diário

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa! Vou anotar essa dica. Jardim de Inverno acaba de entrar pra minha lista. :D

      Excluir
  2. ja faz um bom tempo que quero ler esse livro, histórias com esse momento real que o mundo viveu me faz refletir e me encanta!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adoro essa misturinha de história e ficção. É ótimo até pra escola. rs

      Excluir
  3. Oi Giulia, tudo bem?

    Achei interessante a editora ter dividido o livro em duas partes, mas ai fica aquela questão da ansiosidade para ler a parte II. Guerras sempre foi um dos assuntos que admirei (não que eu deseje uma rsrs), pelo fator politico que engloba as diversas nações que estão em conflito. Gostei de saber que envolve relações socialistas na trama e pelo fato dela retratar a escassez de alimento e demais suprimentos básicos. Sério que os nomes dos locais estão em russo? Vish !! Adorei a resenha, bastante esclarecedora =D.

    Abraços,
    Gustavo Demétrio

    VIDA DE LEITOR - vidadeleitor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tô desesperada. Já andei à procura de spoilers da segunda parte, o que me deixou mais curiosa ainda.
      Eu meio que fujo dessa temática de guerra, mas de vez em quando é bom a gente ter uns choques pra cair na real.

      Excluir
  4. Apesar de toda essa loucura da divisões, nomes e apelidos, achei a proposta dessa história muito interessante. Gosto de histórias de guerra, de amor, de segredos.. e esse livro tem um pouco de tudo.
    E nunca li nada que envolvesse russos! rs
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é bem interessante e valeu a pena! Impossível não se emocionar!

      Excluir
  5. Gente eu acho que esse livro tem tudo pra ser o MEU favorito, pois mesmo tendo essa sua visão de que também não sou muito de histórias em período de guerra porque fico boiando, estou simplesmente encantada, gostei dessa temática, mesmo que o livro chegue até a parecer meio lento. As vezes o envolvimento só começa quando entendemos os sentimentos dos personagens e eu nem li e já me sinto envolvida até o pescoço!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina, corre na livraria e compra! Não fique com medo de boiar, logo logo vc entra no ritmo da história e entende tudo que aconteceu. É encantador e envolvente.

      Excluir
  6. Achei a história interessante,gosto de livros históricos,mas esse tipo de enredo leria lá na frente,não por agora!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prepare o psicológico antes de ler, porque lidar com fome e mortes acaba dando uma abalada. Fora isso, é interessantíssimo, recomendo a todos.

      Excluir
  7. Apesar de eu ser uma grande fã de livros que se passam nas grandes guerras, acabei não me interessando por esse. Quem sabe no futuro dê alguma chance a ele?! Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois me passa livros bons com essa temática. Quase não leio, mas gostei e estou pensando em invsir um tempo neles...

      Excluir
  8. Essa confusão de apelidos deve atrapalhar mesmo, e em relação à divisão do livro, acho que facilita a leitura, contando que a editora não demore com o lançamento....
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tomara que lancem logo. A espera é sempre angustiante. =/

      Excluir
  9. Adoro estórias que retratam um pouco a história da segunda guerra e do governo Hitler.
    Eu consegui sentir pela resenha toda a tristeza, angústia e a luta pela sobrevivência...
    Achei meio chatinho a questão dos apelidos e acho que pode se perder a seriedade da estória (vou ler e ver).
    Apesar deste detalhe eu me emocionei e preciso ler este livro.
    Gostei muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não senti que tenha perdido a seriedade. Entendi como sendo um costume da época, do povo, portanto é natural que seja retratado no livro. Mas, se não for isso, não entendi nada! rs

      Excluir
  10. kkkkk Os russos são assim mesmo. Eles têm um milhão de diminutivos e nomes para a mesma pessoa. :) Esse livro é lindo, roubou o meu coração. Dos livros mais emocionantes que já li na vida. Mas eu li a edição portuguesa que está completíssima. A melhor parte foi a que não saiu no Brasil.

    ResponderExcluir
  11. kkkkk Os russos são assim mesmo. Eles têm um milhão de diminutivos e nomes para a mesma pessoa. :) Esse livro é lindo, roubou o meu coração. Dos livros mais emocionantes que já li na vida. Mas eu li a edição portuguesa que está completíssima. A melhor parte foi a que não saiu no Brasil.

    ResponderExcluir
  12. Olá Gi!!!Tudo bem??
    Pelo título, não esperava uma história tão rica e se passando em cenário da segunda guerra. Sua resenha me mostrou que estou perdendo uma grande história. Já entrou para a minha lista de desejados! E outro detalhe que me chama a atenção é esta linda capa!!!
    Beijos ♥

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para nós e será sempre respondido, volte para conferir!
Se possível, deixe o link de seu blog, adoramos conhecer espaços novos e retribuir a visita!