02 outubro 2015

{Resenha} Joyland - Stephen King

stephen king
Nome do livro: Joyland
Autor(a): Stephen King
Editora: Suma de Letras
Nº de Pág: 240
Classificação: 
Sinopse: Carolina do Norte, 1973. O universitário Devin Jones começa um trabalho temporário no parque Joyland, esperando esquecer a namorada que partiu seu coração. Mas é outra garota que acaba mudando seu mundo para sempre: a vítima de um serial killer.
Linda Grey foi morta no parque há anos, e diz a lenda que seu espírito ainda assombra o trem fantasma. Não demora para que Devin embarque em sua própria investigação, tentando juntar as pontas soltas do caso. O assassino ainda está à solta, mas o espírito de Linda precisa ser libertado — e para isso Dev conta com a ajuda de Mike, um menino com um dom especial e uma doença séria.
O destino de uma criança e a realidade sombria da vida vêm à tona neste eletrizante mistério sobre amar e perder, sobre crescer e envelhecer — e sobre aqueles que sequer tiveram a chance de passar por essas experiências porque a morte lhes chegou cedo demais.
"As pessoas pensam que o primeiro amor é fofo e que fica ainda mais fofo depois que passa. Você já deve ter ouvido mil músicas pop e country que comprovam isso; sempre tem algum coração partido. No entanto, essa primeira mágoa é sempre a mais dolorosa, a que demora mais pra cicatrizar e a que deixa a cicatriz mais visível. O que há de fofo nisso?"
Oi Gente, hoje eu trago mais uma resenha dupla para vocês, eu e o meu querido Leo do Blog Segredos entre Amigas resolvemos ler juntos (apesar da distância física) o livro do mestre Stephen King. Ler junto com amigos que amam livros é uma experiência única, confiram o resultado:

Este livro iniciou uma nova fase em minha vida literária. A primeira leitura de uma obra do mestre Stephen King mexe com a gente, e ao contrário do que vocês possam estar pensando agora, não foi o teor sobrenatural ou o medo que me surpreenderam, mas a qualidade da narrativa e a intensidade psicológica e emocional dos personagens envolvidos. Em Joyland, apesar de contar com menos páginas que a maioria dos livros de King, o autor mostrou sua versatilidade, seu talento para escrever mistérios sem terror, conheçam Joyland.

A história se passa no ano de 1973, no estado da Carolina do Norte e nos apresenta Devin Jones, um jovem de 21 anos que consegue uma vaga de emprego de verão no parque Joyland para esquecer que foi abandonado pela namorada. Joyland é aquele típico parque de veraneio que conta com o temido trem fantasma, uma vidente e comidas típicas.

Joyland é um parque Indie, antigo, porém não temático o que permitia que tivessem uma diversidade de brinquedos e espaço para shows (na maioria das vezes country ou roqueiros de sucesso nas décadas de 50 e 60). O encontro de Devin e a vidente do quiosque de advinhações, ou Madame Fortuna, como a chamam no parque, lhe revela que naquele verão sua vida irá mudar após conhecer duas crianças, uma menina de chapéu vermelho e um garoto com um cachorro, sendo que um deles teria um sexto sentido. Sem acreditar, Devin segue sua vida e seu trabalho normalmente.

Durante uma conversa sobre o funcionamento do parque Devin descobre que uma das "Garotas de Hollywood" tirou uma foto bastante nítida de Linda Gray e seu namorado. Linda foi assassinada na Horror House, porém a polícia não conseguiu identificar o garoto, uma vez que o mesmo estava sempre de óculos escuros nas fotos. Diziam que a partir daí a garota começou a assombrar o brinquedo, mas apenas de madrugada, para os funcionários que faziam o turno da noite.

Na maioria do tempo, Devin fazia o trabalho que nenhum outro funcionário desejava, ele se vestia como o mascote do parque, Howie, o "Cão Feliz" e adorava o trabalho de animar os visitantes, mas o que ele mais queria mesmo era ver o fantasma de Linda Gray, afinal, seria uma excelente história para impressionar Wendy, sua ex.

Devin permanece trabalhando no parque, até que um dia, fantasiado de Howie, ele salva a vida de uma garotinha que usava um chapéu vermelho. O salvamento sai nos jornais e aumenta a visitação do parque. Desafiado por seus amigos, Dave, Tom e Erin passeiam pela Horror House e Tom vê Linda, toda vestida de azul e com os braços estendidos, como se estivesse pedindo ajuda. 

Vê-la se torna a obsessão de Devin e nem mesmo quando alguns amigos deixam o parque no final do verão, ele larga o trabalho. Empenhado em resolver o assassinato de Linda, até que em uma manhã na praia ele conhece Mike, sua mãe Annie e Milo, o cachorro. Mike sofre de uma doença degenerativa muscular e por isso anda de cadeira de rodas. O Garoto possui um sexto sentido, ele tem visões e sabe que sua vida não será longa. 

Annie sofre muito com o ex marido fanático religioso então não é muito acessível, mas a persistência de Devin acaba por esmorecê-la e ele e o garoto estreitam laços. E será um dia no parque, especificamente na Horror House que as coisas irão mudar para sempre.

A história de Joyland está longe de ser horripilante ou assustadora, mas o mistério da morte de Linda Gray, o dom de Mike e o psicológico de Devin são extremamente bem trabalhados durante a narrativa. Stephen King consegue aproximar o leitor do personagem a ponto de nos identificarmos com muitos de seus pensamentos (pelo menos aqueles que já sofreram por amor).

King retrata aqui o mal que habita na mente do ser humano. Tal fato deveria, por si só, assustar muito mais que qualquer fantasma. O excesso de detalhes aqui não entedia o leitor, conhecer a rotina de Devin e do parque apenas servem como condução do leitor da realidade para dentro do livro. Outro fato que precisa ser dito é que o livro não tem capítulos, apenas subdivisões que dão ao leitor uma pausa, contudo, ao contrário do que vocês possam pensar, isso não torna a leitura cansativa, é a magia de King.

Eu, Chrys, me senti comendo pipoca, esperando na fila da roda gigante enquanto uma "Garota de Hollywood" tirava uma foto e Howie dançava Pop Pop. Foi a primeira e incrível experiência com o mestre. Achei que o mistério fosse mais impactante, pela fama do autor, mas não cheguei a me sentir frutrada, acredito que seja um excelente livro para quem quer começar a ler os livros de Stephen. Mais profundo e misterioso (não somente em relação ao assassinato) que assustador e tenso.

Já eu, Léo, conheço King há um bom tempo (um ano, cof cof) e adorei me jogar em mais essa história do autor. Não tem aquela novidade e aquela empolgação que senti lendo outros livros dele, mas ainda assim foi uma excelente experiência. King sabe como entreter o leitor e não deixar suas histórias caírem no clichê. Acho que é por isso que sou um grande fã de sua escrita. 

Joyland está longe de ser a melhor obra de King, mas entrou para os meus favoritos e super recomendo essa leitura a todos. Dispam-se de seus medos e se joguem. E lembrem-se: não se aventurem na roda-gigante em uma noite chuvosa!

3 comentários:

  1. me parece mais light, mas mesmo assim eu não encaro não
    felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Chrys que legal acompanhar sua opinião junto com a do Léo; resenhas duplas bem casadas assim como a de vocês vale a pena ler.
    A primeira coisa que chamou minha atenção foi a quantidade de folhas do livro, são raros os livros do King com tão poucas. Até agora eu só li Carrie, A Estranha e gostei muito. Pretendo continuar lendo os livros do mestre. Amei saber mais da história desse livro e fiquei curiosa para saber porque a Linda Gray foi morta. Enfim valeu pela dica de leitura e parabéns pela leitura!!!
    Beijos e ótimo domingo!!!!!

    Leituras, vida e paixões!!!

    ResponderExcluir
  3. Eu tenho lido alguns livros do autor, pois curto muito, mas esse ainda não li, mas pretendo ler em breve!
    bjs

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para nós e será sempre respondido, volte para conferir!
Se possível, deixe o link de seu blog, adoramos conhecer espaços novos e retribuir a visita!