17 agosto 2015

{Resenha} Eu Estive Aqui - Gayle Forman

I was Here
Nome do livro: Eu Estive Aqui
Autor(a): Gayle Forman
Editora: Arqueiro
Nº de Pág: 240
Classificação: 
Sinopse: Quando sua melhor amiga, Meg, toma um frasco de veneno sozinha num quarto de motel, Cody fica chocada e arrasada. Ela e Meg compartilhavam tudo... Como podia não ter previsto aquilo, como não percebera nenhum sinal?A pedido dos pais de Meg, Cody viaja a Tacoma, onde a amiga fazia faculdade, para reunir seus pertences. Lá, acaba descobrindo muitas coisas que Meg não havia lhe contado. Conhece seus colegas de quarto, o tipo de pessoa com quem Cody nunca teria esbarrado em sua cidadezinha no fim do mundo. E conhece Ben McCallister, o guitarrista zombeteiro que se envolveu com Meg e tem os próprios segredos.Porém, sua maior descoberta ocorre quando recebe dos pais de Meg o notebook da melhor amiga. Vasculhando o computador, Cody dá de cara com um arquivo criptografado, impossível de abrir. Até que um colega nerd consegue desbloqueá-lo... e de repente tudo o que ela pensou que sabia sobre a morte de Meg é posto em dúvida.


Desde o jardim de infância Cody e Meg são inseparáveis, melhores amigas para sempre. Cody nunca teve uma boa relação com a mãe e passava mais tempo na casa dos Garcia, onde era tratada como filha e recebia o amor que sua mãe, Tricia, parecia não conseguir lhe dar.

Os planos de Cody e Meg eram ir para a mesma faculdade, mas depois que Meg conseguiu uma bolsa em Cascades, que oferecia melhores opções que a Universidade de Washington, a coisa mudou de figura. Cody tinha sido aceita na UW, mas não tinha condições de pagar a universidade e por isso cursaria a faculdade comunitária por dois anos, para então mudar-se para Seattle e ficar perto de Meg.

Eis que então. numa certa manhã, Cody recebe um e-mail programado de Meg anunciando que tinha cometido suicídio. A princípio Cody acredita ser uma piada, mas depois que o corpo de Meg é encontrado em um motel, nas mesmas condições que o e-mail afirmava, a garota precisa aceitar que a melhor amiga havia tirado a própria vida. 

Obviamente, todos os próximos de Meg ficaram devastados com a morte da garota e sentindo-se culpados por não terem percebido sinais de que ela precisava de ajuda. A verdade é que, depois que Meg mudou-se para Tacoma, a relação de Cody para com ela ficou estremecida e as duas não se falavam tanto quanto gostariam. Aquele maldito afastamento natural.

Num certo dia, os pais de Meg pedem que Cody vá até a república onde Meg morava e busque seus pertences, tendo em vista que o prazo estava prestes a encerrar. O objetivo de Cody era fazer uma viagem rápida, recolher as coisas da amiga morta e já voltar para casa, mas as coisas não saem do jeito que ela espera.

Para começar, as pessoas em Tacoma parecem não ter conhecido a mesma Meg que Cody conhecia e isso intriga demais a garota. Depois, Meg havia adotado dois gatinhos, Grapette e Repete, cujos Cody não poderia manter quando voltasse para a cidade. Assim, ela precisa encontrar alguém que adote os felinos e preserve um dos últimos gestos de bondade de Meg.

Ao mexer no laptop de Meg, Cody encontra algumas mensagens trocadas com Ben McAllister, um guitarrista que parece ter seduzido a menina. Dentre esses e-mails há um enorme vazio, mensagens desaparecidas que Meg parecia querer esconder, além de um arquivo criptografado na lixeira do dispositivo. 

Cody acredita que Ben tenha alguma relação com o suicídio de Meg e que o arquivo pode conter informações sobre o assunto. Só que quando o arquivo é aberto e Cody conhece o verdadeiro Ben McAllister, ela também percebe que tudo que ela pensou que sabia sobre Meg não é exatamente verdade e a garota escondia muitas coisas de todos, inclusive da própria amiga.

Além disso, Cody desconfia que o suicídio de Meg pode ter recebido influências de alguém e assim parte numa missão para desvendar quem é a verdadeira Meg e quem e o que a levou a tirar a própria vida. Só que as respostas podem não ser o que Cody quer ouvir...

Querem saber o que vai acontecer? Então não deixem de ler.

O primeiro livro da Gayle Forman que li foi Se Eu Ficar e foi uma experiência tenebrosa. Na sequência li Apenas um Dia e adorei demais o livro. Eu Estive Aqui seria o livro que tiraria o empate e me faria decidir se gosto ou não da autora. Minhas expectativas estavam bem altas e por isso a decepção bateu mais forte do que eu esperava.

A escrita de Gayle Forman é sensacional. Ela sabe mexer com os sentimentos do leitor e nos deixar presos em sua narrativa. O problema é que nesse livro a autora pecou muito no desenvolvimento da trama. Parecia que faltava algo pro livro ser digno de ser chamado assim. É uma história um tanto incompleta, onde Gayle inseriu fatos desconexos para criar uma narrativa linear e me deixou extremamente frustrado.

O livro é narrado em primeira pessoa sob a perspectiva de Cody. Nossa protagonista é uma garota que nunca teve nada na vida e perdeu tudo mesmo assim com a morte da melhor amiga. Cody não é ressentida por isso, mas é um tanto frustrada. No fundo, dá pra notar que ela morria de inveja do que Meg era e tinha e isso não me permitiu criar empatia com a personagem.

O foco está todo em cima de Cody descobrir que não conhecemos ninguém tão bem quanto pensamos, tampouco nós mesmos e achei desnecessária a inserção do romance. O affair de Cody com Ben me deixou chocado, porque é algo que realmente não se encaixa na trama, não faz sentido algum pro desenrolar do livro.

Ben é o tipo de personagem que eu detesto. Arrogante, bad boy, mas que no fundo tem uma alma boa e blá-blá-blá. Suas interações com Cody eram rasas e pra mim ele não acrescentou em nada ao livro. Ele tem um passado com Meg que não acabou bem, mas só. Depois que tudo é esclarecido, que é no começo do livro, a participação dele na trama torna-se inconveniente.

Não posso dizer que o livro não é tenso. É sim. É uma história de redenção. Cody viveu na sombra de Meg a vida toda e precisará aprender a lidar com a perda da amiga, além de iniciar uma nova vida sendo ela mesma, não apenas a amiga da Meg. Além disso, a relação conturbada com Tricia merecia um destaque maior e uma reaproximação justa. Estamos falando de redenção, certo? 

Sobre a edição física, não há muito o que falar. A capa é uma adaptação da original e eu não gostei do fato de ter feito ela na cor preta, destoa dos outros livros da autora, mesmo que estes sejam de outra editora. A diagramação é bem simples, a revisão está impecável, as folhas são amareladas e a fonte é grande. Ótimo trabalho da editora Arqueiro.

Pra finalizar, Eu Estive Aqui não me conquistou da forma que eu esperava, mas tenho certeza que muitas pessoas vão gostar, se identificar e se emocionar com a obra. Por esse fato, eu recomendo sim a obra e acho que, principalmente os fãs da autora, devem dar uma chance.

2 comentários:

  1. eu ja li, mas sabe aquela história que te marca que você não consegue expressar bem em palavras?
    a autora tem o poder de tratar de questões tão forte com um jeito singelo, ao mesmo tempo que trabalha sentimentos em seus personagens, desperta reações no leitor!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu acho o enredo desse livro super interessante e tenho muita vontade de conhecer essa história. Amei a sua resenha! <3
    Mil Beijos!
    http://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para nós e será sempre respondido, volte para conferir!
Se possível, deixe o link de seu blog, adoramos conhecer espaços novos e retribuir a visita!