20 novembro 2013

Old But Gold: Cadê o vampiro que estava aqui???

Olá meus queridos, tudo bem com vocês?

Recentemente estava discutindo com o Matheus Braga, do blog Vida de Leitor, sobre a “romantização” das figuras mitológicas na literatura atual e é impossível adentrar em tais assuntos sem pensar ou fazer algum tipo de referência aos vampiros de Crepúsculo, aos zumbis de Sangue Quente e a outras figuras místicas que tiveram sua mitologia e atributos físicos modificados e foi pensando nisso que decidimos criar a série de posts "Old But Gold" onde discutiremos sobre o assunto.


Claro que se tratando de mitologia, ou seja, histórias que não são reais e da liberdade criativa do autor (muito bem lembrado pela autora Larissa Siriani) essa mudança é perfeitamente cabível e tal argumento é mais do que válido. Contudo, o que estamos expondo aqui é a NOSSA opinião sobre tais mudanças e não se o autor foi ou não feliz ao fazer tal modificação. Desta feita, gostaria que refletissem sobre a seguinte questão:
Você tem certeza de que é fã de vampiros ou será que foi recentemente induzido a gostar de uma das criaturas mitológicas mais malignas e sanguinárias da história única e simplesmente pelo fato dele ter sido “domesticado” e adquirido uma consciência?
Os registros sobre Vampiros vêm sendo feitos há séculos, tendo seu inicio com o lendário Vlad - O Empalador - e tendo reforço da “existência” dessa com os contos de Elizabeth Bathory - A Condessa de Sangue, entretanto, a versão mais conhecida e que se tornou ícone literário e filmográfico são aqueles que se alimentam da essência vital de criaturas vivas, ou seja, sangue. Os vampiros são espectros de seres malignos, que podem ser criados quando um espírito maléfico possui um corpo ou é mordido por um vampiro, sua coloração, é rósea devido à enorme quantidade de sangue ingerida. Por isso, sinto-lhes informar, mas os vampiros clássicos não brilham no sol*, não são velozes e não evitam beber sangue humano. O que aconteceu com Drácula ou Lestat?? 

Cruel, sanguinário, sem consciência e se alimenta de humanos = Vampiro

Nem que Edward tivesse 2.000 anos poderia ser considerado uma evolução da raça vampiresca. Não nos entenda mal, não estamos criticando a obra, até porque um de nós (Euzinha) adora a saga. Seria mesmo preciso deturpar o mito para que as garotas ficassem irremediavelmente apaixonadas por ele?

O fato é: ao “romantizar” essa raça sanguinária e violenta, acabaram por deturpar o mito do verdadeiro vampiro, aquele ser de ar aristocrata que não possui consciência e é governado pela sede eterna de sangue. Até podem "existir" vampiros que resistirão à vontade de drenar a pessoa amada, que brilham no sol e que irão esperar pelo sexo depois do casamento, mas, infelizmente, esse não é nossa concepção deste ser que preenche os pesadelos das pessoas por milênios.


E você, o que acha da atual situação dessa raça na literatura atual?



Twilight

Brilha, voa, mora na floresta e dá conselho de moral = Fada**

PS: Alguém parou para pensar que os vampiros (na maioria das suas versões) estão mortos e que essa relação entre eles e os humanos não é nada mais nada menos que a mais pura necrofilia? O_O

*Em algumas mitologias, a textura da pele do vampiro é similar ao diamante em face ao seu tempo de “vida”, ou seja, quando um vampiro é milenar, sua pele adquire a aparência e resistência de diamante (ou em algumas versões mármore), mas o objetivo seria fazer uma alusão à resistência e não como foi feito no famoso filme a tia Meyer que quis mostrar a beleza e perfeição do brilho do diamante nas peles de suas crias.


**Eu (Chrys) adoro o Edward, acho ele uma personagem incrível, culto, romântico e um excelente partido. Vale lembrar que o que estamos discutindo aqui é a espécie e alterações drásticas da espécie e não a personagem em si.

Texto por Matheus Braga e Chrys Audi

22 comentários:

  1. Adorei esse texto! Sempre digo que detesto histórias com vampiros, mas na verdade o que não gosto são os vampiros domesticados. Gosto mais do vampiro cruel, sem consciência, como era antigamente.
    Mas isso é questão de gosto pessoal, ainda mais quando estamos falando de uma coisa puramente fictícia, o que abre espaço para a criatividade e vontade do autor.
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Amei essa coluna.. acredita que faz poucos meses que discuti sobre esse tema com uma querida amiga que ama vampiros e já leu tudo que tem direito?! Ela fica irada com essa romantização e já participou até de um seminário sobre o assunto. Já tinha convidado para ela escrever uma matéria para o blog, mas nunca saiu.. hehe É engraçado pensar que com o passar dos anos os vampiros, lobisomens e zumbis passaram a ser amados, ao invés de gerar medo, raiva, etc.. como será que isso surgiu? Por que será que uma pessoa um dia acordou e pensou "Como seria ter um vampiro bonzinho, gostoso e que nos amasse?" kkkk Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
  3. Adorei o post e vou ficar de olho nessa nova coluna! Eu concordo plenamente sobre tudo o que foi dito aqui e assim como você, adorei a saga Twilight mas realmente há certas características dos vampiros que acredito que deveriam ter sido mantidos...
    Os vampiros sanguinários e cruéis são sempre os melhores, claro que todos nós gostamos de um pequeno romance, mas acredito que quando estamos falando de vampiros deveria ser algo bem mais selvagem e cruel e não esse romance purpurina vegano.. kkkk
    beijos
    http://girlfreakbooks.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo post.
    Quando li Twilight levei um choque com o fato dos vampiros brilharem e serem considerados "vegetarianos" pois evitam beber o sangue humano rs Mas, acho que foi um artifício para que formasse um fã clube dos vilões bonzinhos e estas sonharem em ter um desses para elas rs

    ResponderExcluir
  5. a alguns anos atras os vampiros arrancariam gritos, hoje eles arrancam suspiros... eu realmente curti essa mudança, acho que veio em uma boa hora, afinal o sobrenatural encanta!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Ah, adorei seu texto *-*
    Confesso que sou apaixonada por vampiros (de verdade, como em Amante Sombrio... rs).
    Mas confesso que gostei muito de crepúsculo também, por conta do romance que se desenrolou com a história, e pela maneira que a Stephanie escreve!
    Enfim, ri muito com seu texto :)
    Beijos,
    Ana M.
    http://addictiononbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oie
    Ahhh amei o post ♥
    Sou uma amante do tema e já vi/li todo o tipo de filmes/livros sobre vampiros. Realmente a diferença do que vemos hoje para o que víamos antigamente é muito grande. Eu vi Crepúsculo e achei um pouco... chato esse lance dos vampiros brilharem e serem "vegetarianos". Eu acho que o vampiro ele é caracterizado justamente pela sua sede voraz de sangue e pelas mortes. Eu curto muito esse lance dos vampiros serem "romantizados", mas confesso que gosto de um pouco de perigo.
    Tudo bem o vampiro ser "romantizado", mas sem perder a sua "essência" vampiresca.

    Beijocas
    http://cupcakedeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi Chris, eu gostei demais do texto e da discussão que você levantou. Eu não posso dizer que sou fã de Crepúsculo e muito menos de vampiros, mas depois do sucesso da saga surgiram outros livros que chamaram a minha atenção como Insaciável, porém neste os vampiros não são tão adulterados. Eu acho interessante ver até onde a criatividade do autor vai, mas se bem que seria interessante saber mais sobre o verdadeiro vampiro, porque eu mesma não sei muito e acredito que muitos também não saibam e acreditem nessas fadinhas por ai rsrsrs. Fiquei pensando sobre a necrofilia, é realmente um fato curioso.
    Abraços, Raquel.

    ResponderExcluir
  9. Olá pessoal, tudo bem??
    Nossa adorei demais este post e ler sobre um assunto tão interessante....Sempre gostei de coisas de vampiros mas de historias mais "verdadeira", mas que dão medo...Li ano passado Diários de Vampiro, e me decepcionei pois vira uma historia meio clichê de um vampiro que se apaixonada por uma humana. Mas quero ler algo sobre vampiros verdadeiros...Acho uma ótima ideia para um post, de livros com esta temática de vampiros, poderia indicar algum??
    Mas parabéns ao post!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vampiros "de verdade" você pode escolher entre os livros da Anne Rice ou o Drácula clássico. ^_^

      Excluir
  10. Achei bem engraçado e interessante essa constatação. De fato, a modernidade acabou adaptando não só os gêneros literários, mas até a essência dos personagens. Vampiro que brilha, é romântico e blá blá blá nada mais, nada menos é uma forma de chamar atenção do público e acabar tornando aquele o padrão de homem idealizado.
    Confesso, que o que me chama atenção mesmo são os vampiros fodões, sedentos por sangue, malvados, bad boy... Mas fazer o quê, né? Hahaha

    ResponderExcluir
  11. Hahaha adoro o Edward mas realmente está mais para fada. O brilho do diamante kkkk Já conheceu o Simon, o vampiro nerd?

    ResponderExcluir
  12. Gosto dos vampiros "originais" por assim dizer. Dracula é meu filme favorito de todos os tempos (ainda não li o livro) e não abro mão dos vampiros sanguinários. A definição de fada ficou I-N-C-R-Í-V-E-L !!! Richelle me conquistou com Academia de Vampiros, mas como parei de ler no quarto livro, acho que no quinto ela vai avacalhar, então estou um pouco receosa com a leitura dele. Adorei a coluna.

    Beijos, Rafa
    http://fuxicandosobrelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Ótimo post para abrir uma discussão, afinal, tudo que voce disse tem coerência, imagina voce se relacionar com uma pessoa morta? Deus me livre né...mas nas histórias de hoje, vampiro namorar humano é legal, mas tudo é ficção e na ficção vale tudo, por isso acho que tem espaço na mídia e na literatura para os verdadeiros vampiros, aqueles que te metem mede e não rejeitam um bom pescoço e aqueles que se denominam vampiros, mas não agem como tal, não honram os caninos que possuem rsrsrs! Sensacional esse post! :)

    ResponderExcluir
  14. Oi!
    Eu gostei da coluna e tenho vontade de ler os livros da Anne Rice e do André Vianco. Espero que o próximo seja de lobisomem pois eu não conheço a origem.
    bj

    ResponderExcluir
  15. Oi!
    Eu gostei da coluna e tenho vontade de ler os livros da Anne Rice e do André Vianco. Espero que o próximo seja de lobisomem pois eu não conheço a origem.
    bj

    ResponderExcluir
  16. HAHAHAHA adorei a comparação com a Fada.
    Eu particularmente não gosto dessa "romantização" dos vampiros, como Crepusculo. Gosto deles crueis, sanguinários e verdadeiros matadores *--* chega arrepiei!
    Adorei a iniciaitiva da coluna!
    Super Abraço, Victor Rosa
    encantosparalelos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  17. Acho interessante o post e como muitos seres que antes eram vistos como vilões do mal passam após uma "repaginação" serem vistos como heróis ou "do bem"..Acho que é como você diz a imaginação do escritor faz ele criar o ser do jeito que ele quer ele pega um mito e o transforma em algo que o agrada..Acho que temos que aceitar todas as diferenças..No caso do Edward acho que as pessoas esqueçam que ele é vampiro e voltam-se para o lado "humano" e "homem" que ele possui...cada personagem é criado emcima do contexto da história.

    ResponderExcluir
  18. Cada um tem sua opinião, eu sou fã de Twilight e para mim o Edward é perfeito. Cada autor tem a sua maneira de ver as coisas, Stephenie apenas escreveu algo sobre o que ela sonhou, ela não quis simplesmente fazer uma história de vampiros onde estaria criando novos conceitos para os vampiros. Ela sonhou com isso, foi algo inesperado para ela. As pessoa criticam muito, e isso é ruim. Acho que não importa a história, enquanto tiver uma pessoa que compre o livro, o trabalho do autor será reconhecido. As pessoas deveriam parar de julgar e passar a respeitar.

    ResponderExcluir
  19. Não sou propriamente uma fã em vampiros, já que nunca tive interesse em assistir um clássico como “Drácula”, mas acho as mudanças válidas, porque cada autor criou seu universo, com vampiros com características próprias, o que torna cada história interesse a sua maneira. Eu particularmente, gosto de “Crepúsculo” e IAN, que tem universos totalmente diferentes.

    *bye*

    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Já comentei no Vida de Leitor e volto a falar.
    Enquanto houver público que ame essa versão teen dos vampiros e vários outros seres, a versão clássica vai ficando cada vez mais para trás. Porque vende, fazer o que =/

    ResponderExcluir
  21. Heey Chrys que bacana essa nova coluna, adorei! Nunca li um livro de vampiros que não fosse romantizado, por isso gosto deles como são mas tenho um professor que parece que se rói por dentro e tem vontade de me enforcar quando digo que gosto desse tipo de leitura. Ele diz que tenho que ler Lestat e que vampiros não existem pra ser bonitinhos e românticos e sim sanguinários e sem consciência. Opiniões divergentes, eu prefiro os romantizados, talvez seja pelo motivo que ele disse, ainda não conheço os clássicos.
    Beijos, Greice.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para nós e será sempre respondido, volte para conferir!
Se possível, deixe o link de seu blog, adoramos conhecer espaços novos e retribuir a visita!