06 outubro 2014

{Resenha} Invisível - David Levithan e Andrea Cremer

David Levithan
Nome do livro: Invisível
Autor(a): David Levithan e Andrea Cremer
Editora: Galera Record
Nº de Pág: 320
Classificação:
Sinopse: Stephen passou a vida do lado de fora, olhando para dentro. Amaldiçoado desde o nascimento, ele é invisível. Não apenas para si mesmo, mas para todos. Não sabe como é seu próprio rosto. Ele vaga por Nova York, em um esforço contínuo para não desaparecer completamente. Mas um milagre acontece, e ele se chama Elizabeth. Recém-chegada à cidade, a garota procura exatamente o que Stephen mais odeia. A possibilidade de passar despercebida, depois de sofrer com a rejeição dos amigos à opção sexual do irmão. Perdida em pensamentos, Elizabeth não entende por que seu vizinho de apartamento não mexe um dedo quando ela derruba uma sacola de compras no chão. E Stephen não acredita no que está acontecendo... Ela o vê! Stephen tem sido invisível por praticamente toda sua vida - por causa de uma maldição que seu avô, um poderoso conjurador de maldições, lançou sobre a mãe de Stephen antes de ele nascer. Então, quando Elizabeth se muda para o prédio de Stephen em Nova York vinda do Minnesota, ninguém está mais surpreso do que ele próprio com o fato de que ela pode vê-lo. Um amor começa a surgir e quando Stephen confia em Elizabeth o seu segredo, os dois decidem mergulhar de cabeça do mundo secreto dos conjuradores de maldições e dos caçadores de feitiços para descobrir uma maneira de quebrar a maldição. Mas as coisas não saem como planejado, especialmente quando o avô de Stephen chega à cidade, descontando sua raiva em todo mundo que cruza seu caminho. No final, Elizabeth e Stephen devem decidir o quão grande é o sacrifício que estão dispostos a fazer para que Stephen se torne visível - porque a resposta pode significar a diferença entre a vida e a morte. Pelo menos para Elizabeth...
Invisível foi um livro que surpreendeu diversas vezes durante a leitura. Com um toque de sobrenatural David deu leveza e vida à um tema não comum e ainda não trazido para o mundo literário, a invisibilidade.

Stephen tem 17 anos e jamais fora visto por alguém, sim, ele é invisível. Sua mãe nunca pode vê-lo ao acarinhá-lo, seu pai nunca soube para onde olhar sem que estivesse conversando com o filho, para seguir o som de sua voz.


Vivendo uma vida tangente, Stephen havia se conformado e se acostumado a viver à margem do mundo, aproveitando portas abertas pelos vizinhos e se desviando de coisas e pessoas nas ruas, no mais completo e absoluto silêncio. O garoto foi amaldiçoado e teoricamente nunca seria visto por qualquer ser humano, inclusive ele mesmo.


O pai de Stephen abandonou ele e a mãe, quando o menino ainda era pequeno e formou nova família, com filhos visíveis. Ele concedia-lhes apenas conforto financeiro, sem que qualquer pessoa soubesse da existência de ambos. A mãe de Stephen morreu e agora ele vivia sozinho no apartamento mantido por seu pai, que representava apenas o nome no cartão de crédito usado por Stephen para fazer todas as suas compras de forma online.


E tudo permaneceu exatamente assim até que Elizabeth se mudou para Nova Iorque, para seu prédio, no apartamento ao lado. A garota está passando por uma fase complicada com o divórcio dos pais e a homossexualidade do irmão Laurie, condenado pela sociedade, pelos amigos e pelo pai.


Elizabeth só queria um pouco de invisibilidade para seguir adiante. Stephen queria ser normal, ser visto, saber quem e como era. E no primeiro encontro dos dois, ela o vê e fala com ele! Agora, com uma identidade e compreensão absurda entre eles, os 3 adolescentes irão enfrentar grandes perigos rumo ao desconhecido mundo dos conjuradores e rastreadores de maldições para tentar desfazer a de Stephen e deixá-lo visível.

Com capítulos intercalados entre Stephen e Elizabeth, David e Andrea dão vida a estes personagens tão adolescentes com dilemas que exigem tanta maturidade!

Stephen não é feliz, mas está confortável com sua condição sobrenatural, o garoto apenas se adaptou a não esbarrar em ninguém e não falar em público para que não haja pânico. Ele nunca se viu no espelho, então não sabe qual é sua aparência. Será que somos o que as pessoas vêem em nós?


Elizabeth sofre com a mudança no comportamento de sua própria família e de seus amigos que condenam a opção sexual de seu irmão, quando deveriam apoiá-lo. As pessoas os rejeitavam como se ser gay fosse a doença mais contagiosa do mundo.


O encontro dos dois muda tudo, inserindo mais dilemas e desconforto para ambos. Os autores criaram um mundo sobrenatural único, repleto de reflexões intrínsecas, nas entrelinhas e muito embora os personagens sejam adolescentes, não se enganem, em nenhum momento tiveram crises e birras normais para a idade. Agem e tomam decisões de gente grande e como gente grande, dando-nos uma lição de moral, de amizade, apoio e amor incondicional tão grandes que nos dão um banho a cada capítulo.


Meu personagem favorito foi Laurie que é tão inteligente e perspicaz que conseguiu ganhar meu respeito e admiração. É um personagem que se trona mais forte a cada capítulo.


Contudo, como nem tudo é perfeito, senti de forma bem drástica as mudanças na narrativa. primeiro que o livro deixou de repente demais de ser dramático e fofo para ingressar no mundo da fantasia e da aventura, completamente sem aviso. Eu não esperava por isso porque a sinopse e orelhas não são reveladoras a esse ponto. Não que tenha sido um ponto ruim, mas "fui pega de calças curtas", rsrs


Além disso, a distinção dos autores nos capítulos é completamente perceptível, muito embora os capítulos não tenham o nome ou qualquer outra indicação do narrador, senão a própria leitura, eu consegui saber e pensar: Este é David e esta é Cremer. Gostei muito mais de Stephen/David que Elizabeth/Cremer, e com o passar do tempo, à medida que os capítulos encabeçados por Andrea Cremer iam se tornando extensos, minha velocidade da leitura diminuiu consideravelmente! Eu já não lia com a mesma vontade e voracidade.


O livro é muito, muito bom, mas essas considerações me fizeram tirar um pontinho. Ainda recomendo, mas deixo o alerta, pois sei que muita gente não curte fantasia e vocês podem ser levados à erro. Não sei se as metáforas e subjetividades de "Todo Dia" podem ser encontrados em "Invisível", que é mais fantástico e menos introspectivo (ao menos após a metade do livro). Então, quem procurar o David de "Todo dia" aqui, não irá encontrá-lo!


Separei alguns quotes que demonstram a diferença entre as narrativas, confiram:

"O tempo parece sem sentido; um indicador arbitrário em um mundo cheio de possibilidades e problemas com os quais jamais havia sonhado até hoje" (Elizabeth, pág 140)
"Parece que faz anos que estive aqui, embora saiba que não faz. Queria que houvesse um indicador pessoal de tempo, para que não tivéssemos que nos basear nos dias, semanas, meses e anos. Porque cada um de nós tem a própria unidade de medida, a própria relatividade. Distância entre amores. Distâncias entre destinos. Distâncias entre mortes.
Ou apenas uma morte. A rapidez do tempo de antes. A eternidade do tempo depois". (Stephen, pág 175)

25 comentários:

  1. Nossa!
    Muito bom, eu não sabia que esse livro era assim *-* fiquei encantada <3
    Gostei do tema, parece ser maravilhoso!
    Beijos
    tamigarotaindecisa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ariadne,
      Sim o livro é encantador. Espero que confira e que goste!

      Beijos

      Excluir
  2. oi flor, li boas resenhas sobre esse livro, mas como ainda não li nada do autor to achando que é melhor mesmo começar por outro título :*
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thailinha,
      Gostei bastante da narrativa do David, quero ler mais coisas dele!
      Beijos

      Excluir
  3. Não acho legal quando percebemos qual é o autor que escreve, parece que fica muito diferente, sei lá, normalmente não gosto. Apesar da sua boa indicação, não é um livro que me interesse no momento.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  4. Oi Chrys.
    Eu li esse livro, mas dessa vez David não consegui me conquistar, apesar da narrativa bem leve não achei a história tão envolvente e vários coisas me incomodaram durante a história, e é claro senti falta das metáfora do autor.
    Salvou a história o personagem gay, que o autor caracterizou com maestria.

    Beijos.
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
  5. Oi Chrys, tudo bem? Gostei bastante da sua resenha!! Adoro os livros do David e espero que esse não seja diferente, ainda não li, mas quero muito ler. Já li alguns livros do David com outros autores (John Green e Rachel Cohn) e sempre gosto mais da escrita do David, acho ele um ótimo autor. E gosto dos enredos pouco convencionais dele.

    Não sabia que tinha essa busca para desfazer a maldição do Stephen, acho que nenhum das outras resenhas que eu li falava isso... e deve realmente causar uma certa estranheza essa mudança brusca. Mas mesmo assim, espero poder conferir.

    Beijinhos,

    Rafaella Lima // Vamos Falar de Livros?

    ResponderExcluir
  6. Oi Chrys, tudo bom?! Parabéns pela resenha, ficou muito detalhada e interessante. Ainda não li nada do autor, confesso. Mas só ouço elogios dos livros dele. A maioria dos enredos são pouco convencionais e atrai um público muito fiel. Essa resenha respondeu algumas perguntas que as outras resenhas não respondiam, como a busca para desfazer a maldição do Stephen. Adorei isso.

    Beijos, Rob
    Estante da Rob

    ResponderExcluir
  7. Eu nunca li nada do David, boatos de que ele escreve de um jeito que cativa os leitores rsrs. Gostei da resenha, da capa do livro e do quote da Elizabeth, rsrs.
    Abraço, www.likelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Chrys lindona esse livro já está em minha lista somente o fato de ninguém oi ver já torna a leitura muito intrigante . Fiquei curiosa como ela consegue vê-lo e qual será seu desfecho. Em breve leio. beijos .

    ResponderExcluir
  9. Olá

    Acho o David um ótimo escritor de YA. Ele tem uma escrita muito fluida e histórias, na maioria das vezes, muito criativas e bem desenvolvidas. Logo, já quero ler qualquer coisa que ele publique e obviamente fiquei bastante interessado neste livro. Curti bastante a capa e acho que ele sempre se sai bem em livros que escreve em parceria. Todos os que eu li sempre acabava curtindo mais os personagens que ele criava, então já estou com as expectativas altas, mesmo sem querer saber muito sobre o que se trata a história para me surpreender ainda mais.

    Abraço!
    www.umomt.com

    ResponderExcluir
  10. Gostei muito do alerta final, principalmente porque a minha maior motivação pra leitura desse livro é eu ter gostado tanto de Todo Dia. Vi que não dá pra comparar, mas pelo menos nos capítulos escritos pelo Levithan a gente vai encontrar uma escrita inteligente, e isso já me deixa mais tranquila.
    Achei a premissa bem legal, gosto dessa maneira surpreendente desse autor criar histórias.
    Beijinhos!
    Giulia - www.prazermechamolivro.com

    ResponderExcluir
  11. Olá

    Eu tenho o "Todo Dia", ganhei de cortesia no skoob, mas ainda não li. Achei simplesmente incrível tudo que o livro propõe, a questão de só a Elizabeth ver o Stephen, onde isso vai dar? Como termina a estória? Vou ter que ler para saber né kkkk. Resenha incrível.
    Abraços

    estantejovem.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Oi Chrys! Estou bem curiosa para ler esse livro, principalmente por ser uma história diferente, acho que nunca li algo parecido, apesar das ressalvas, eu ainda quero ler e saber qual será o final do livro, e também acompanha toda a história desse menino. Ainda não li nada do David, mas fui recomendada a ler TODO DIA. Ótima resenha flor.

    Beijos,
    www.leitorasempre.com

    ResponderExcluir
  13. Que bom que o livro te surpreendeu, Chrys, porque será uma das minhas próximas leituras. Não sabia desse toque de sobrenatural não... Só não vou sentir de forma tão drástica a mudança na narrativa, de um livro dramático e fofo para um com fantasia e aventura, porque você avisou... hehe... Posso até sentir na diferença da narrativa dos autores, mas nunca li nada de nenhum dos dois, então não conseguirei identificar qual é qual, de qualquer maneira. Espero que eu curta a leitura!

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  14. Eu li Todo Dia e adorei, por essa razão quando fiquei sabendo desse livro eu já fiquei interessada, gostei muito da sinopse de Invisível e da capa também, o livro parece ser bem bacana e com certeza eu iria amar o Stephen assim como amei o A, devo também dizer que quando li a sinopse eu meio que lembrei muito do A no Stephen, mas enfim, adorei a sua resenha e espero ter a oportunidade de ler esse livro logo :3

    Beijos :*
    Larissa - http://srtabookaholic.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Oi Chrys! Não conhecia esse livro e achei a premissa bem interessante. Imagina ser invisível. Tem muitos momentos em que também gostaria de sumir. rsrs Mas entendo o lado de Stephen, afinal, ser eternamente ignorado não é legal.

    Sobre as mudanças de Narrativa, acredito que tenha sido a parte mais influenciada pela Andrea Cremer, que escreve livros com temática sobrenatural. Acredito que ao escrever um livro em conjunto, tem que se tomar esse cuidado, são dois escritores conhecidos e com seus próprios estilos narrativos definidos, ao fazer um livro só deveriam ter tomado o cuidado de nivelar bem esses estilos.

    Vou procurar mais sobre esse livro. Gostei da dica de leitura.

    Beijos.
    Bell
    http://contosdoguerreiro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. Hey, Chrys!

    Sou fã do David Levithan, então não poderia deixar de ter esse livro em minha lista de futuras aquisições. Amei a premissa da obra e esse é mais um motivo para querer tê-lo entre meus queridinhos. Já li "Todo Dia" e "Will & Will", do mesmo autor, e foi a partir daí que minha paixão por ele começou! Espero poder adquirir o mais breve possível meu exemplar, haha.

    Beijo,
    Sérgio H.

    www.decaranasletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Olá, tudo bem?

    Nossaaaaa eu gostei da temática do livro.... mesmo amando o livro "Todo dia" e embora eu não encontre o David nessa história... acho que a ousadia do autor em fazer algo diferente merece qualquer crédito e só pelas coisas que você mencionou na resenha fiquei totalmente tocada em ler... Xero!!!

    ResponderExcluir
  18. Oi Chrys, tudo bem?
    Me interessei muito pelo livro, mas estou com um pé atras quanto a fluidez da leitura... fiquei com a impressão de que esse seria um livro bem previsível. Vou procurar saber mais sobre ele e quem sabe num futuro eu leio ele.

    Beijos...

    ResponderExcluir
  19. Oi Chrys,

    Amo Fantasia e lendo sua resenha com certeza meu interesse pelo livro foi despertado, pois tem ingredientes muito interessantes e alguns um pouco inusitados. Então, claro que foi para minha lista de desejados e aceito de presente, hahahaha.

    Beijos
    Tânia Bueno
    www.facesdaleiturataniabueno.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  20. Oi Chrys, tudo bem?
    Sabe o que eu mais gostei??? Do jogo de palavras dos autores, eles colocaram dois personagens, um que literalmente é invisível, outro que se torna invisível pelo comportamento de exclusão da sociedade em que ele vivem.
    Eu adoro quando os autores trabalham os temas de forma inteligente, que nos fazem pensar, sair da zona de conforto. No fim das contas, todos nós já nos sentimos invisíveis em algum momento.
    Eu adoro fantasia também, então, o livro já me conquistou.
    Sua resenha está ótima!!!!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  21. Oi Chrys, tudo bem?

    Desde que vi esse livro nos lançamentos da Galera e li sua sinopse já fiquei ansioso para ler. A premissa em si é interessante e foi justamente isso que chamou a minha atenção. Quando o livro é escrito a quatro mãos pode ocorrer o que você disse na resenha. Sobre a questão da mudança repentina do lado "sensível" para o lado de ação e aventura, não sei se estranharia, pois esperaria algo do tipo, até mesmo para a história não ficar repetitiva. Outro ponto que gostei foram os personagens, vez que estes apareceram bem estruturados e apresentados (Stephen... só faltou o King para ficar perfeito hahaha). Enfim, espero ansiosamente o dia em que eu poderei ler este livro, porque a faculdade está consumindo todos meus preciosos minutos rsrsrs. Adorei a resenha! o//

    Abraços,
    Gustavo Demétrio

    Vida de Leitor - vidadeleitor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  22. Oi, Chrys!
    Essa é a segunda resenha que leio do livro, e você foi a segunda pessoa a comentar que era perceptível distinguir quem escreveu os capítulos. Ainda não li nada do Davis Levithan, mas tenho vontade e acho que começar com Invisível será ótimo, porque confesso que estou bastante curiosa, essa coisa sobrenatural com conjuradores e rastreadores me agrada e muito.
    Espero em breve poder lê-lo.

    Beijinhos, e parabéns pela resenha, está super instigante!

    ResponderExcluir
  23. Oieee, eu terminei de ler este livro e adorei. Ele entrou para a minha lista de desejados e assim como você eu também achei muito inesperado esta mudança para este mundo sobrenatural, eu não fazia ideia do que a história se tratava e eu adorei a forma que os autores escreveram o livro. O final foi lindo e eu adorei, creio que haverá uma continuação rs, Abraços.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para nós e será sempre respondido, volte para conferir!
Se possível, deixe o link de seu blog, adoramos conhecer espaços novos e retribuir a visita!